Knowledge of the interprofessional team about child autism

Shaiane Àvila da Silva, Paula Michele Lohmann, Arlete Eli Kunz da Costa, Camila Marchese

Abstract


Autism is characterized as a neurodevelopmental syndrome, and many individuals who are diagnosed with autism present ineffective communication, and their movements, activities and interests are more repetitive, and have more aggressive behavior. The autistic has many characteristics, such as lack of social interaction, difficulties in maintaining relationships with other people and with their own family, end up isolating themselves and living their world and not realizing the reality that surrounds them. The objective was to analyze the knowledge of the interprofessional team about autistic disorder. This is an exploratory, descriptive study with a qualitative approach that used as a technical procedure data collection and cross-sectional field study. For analysis of the data was through the analysis of content of Bardin. The results showed that most of the professionals consider autism as a neurological disorder, with impairment in communication and social interaction, 90% of the participants have already cared for the autistic being highlighted the lack of preparation for attendance, lack of interprofessional interaction and the parents' unpreparedness for care. The stimulation of the child for its development was emphasized as an important factor. We conclude that it is fundamental that the interprofissioanl team has an effective relationship and helps and accompanies the child as well as the family in each situation lived, observing the family structure.


Keywords


Autonomic Disorder; Basic Health Unit; Professional Qualification.

References


Almeda, C. M., & Abulquerque, K. (2017). Autismo: Importância da Detecção e Intervenção Precoces. Revista Cinética Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 1 (2), 488- 502.

Alvarenga, J. P. O., Meira, A. B., Fontes, W. D., Xavier, M. M. F. B., Trajano, F. M. P., Neto, G. C., Silva, F. W. B., & Almeida, F. V. H. (2013). Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade na formação em saúde: vivências de graduandos no estágio regional interprofissional. Revista de Enfermagem UFPE, 7 (10), 5944-5951.

Associação de Amigos do Autista – AMA. (2011). Definição. Retirado no 28 maio de 2019, de https://www.ama.org.br/site/autismo/definicao/.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barr, H. (2005). Interprofessional education: today, yesterday and tomorrow: a review. London, UK: Higher Education Academy - Health Sciences and Practice Network.

Batista, N. A. (2012). Educação interprofissional em saúde: Concepções e Práticas. Caderno FNEPAS, 2, 25-8.

Braga, A. O. M., & Silva, E. A. (2017). Peplau X Orem: interação e autocuidado como estratégia da assistência de enfermagem. Revista Pró-univer SUS, 8 (1), 08-11.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). 1. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_autismo.pdf>. Acesso em: 3 abr. 2019.

Dartora, D. D., Mendieta, da C. M., & Franchini, B. (2014). A equipe de enfermagem e as crianças autistas. Journal of Nursing and Health, 4 (1), 27-38.

Davidse, L. C. (2015). Ouvir para se poder olhar dentro da clínica do autismo. De onde vem a voz que me faz existir. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18 (4), 634-650.

Dias, I. M. Á. V., Pereira, A. K., Batista, S. H. S. S., & Casanova, I. A. (2016). A tutoria no processo de ensino-aprendizagem no contexto da formação interprofissional em saúde. Saúde em Debate, 40 (111), 257-267.

Ebert, M., Lorenzini, E., & Silva, da F. E. (2015). Mães de crianças com transtorno autístico: percepções e trajetórias. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36 (1), 49-55.

Ho, H., & Dias, I. (2013). Campanha Nacional pelos Direitos e pela Assistência das Pessoas com Autismo 2011/12. In: Mello, A. M., Ho, Helena, Dias, I., & Andrade, M. (Org.). Retratos do Autismo no Brasil. São Paulo: AMA – Associação de Amigos do Autista, 37-63.

Lucero, A., & Vorcaro, A. (2015). Os objetos e o tratamento da criança autista. Fractal, Revista de Psicologia, 27 (3), 310-317.

Maia, F. A., Almeida, M. T. C., de Oliveira, M. M., Oliveira, S. L. N., Saeger, V. S. de A., de Oliveira, V. S. D., & Silveira, M. F. (2016). Importância do acolhimento de pais que tiveram diagnóstico do transtorno do espectro do autismo de um filho. Cadernos Saúde Coletiva, 24 (2), 228-234.

Martins, F. D. A., & Góes, de R. C. M. (2013). Um estudo sobre o brincar de crianças autistas na perspectiva histórico-cultural. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 17 (1), 25-34.

Melo, C. A., Farias, G. M., Oliveira, G. da S., da Silva, J. F., Negreiros, J. E., de L., & Pinheiro, R. da C. da S. (2016). Identificação do papel do enfermeiro na assistência de enfermagem ao autismo. Mostra Interdisciplinar do Curso de Enfermagem - Unicatólica, 2 (2). Disponível em: . Acesso em: 2 mai. 2019.

Ramos, A. S. C., & Salomão, R. M. N. (2014). Autismo e síndrome de down: concepções de profissionais de diferentes áreas. Psicologia em Estudo, 19 (1), 103-114.

Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012 (2012). Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2013 jun 13; Seção 1:59.

Silva, B. B. A., Gaiato, B. M., & Reveles, T. L. (2012). Mundo singular: entenda o autismo. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva.

Sousa, A. M. B. da S., & Sousa, C. S. (2017). Produções científicas sobre os cuidados de enfermagem às crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 1 (2), 387-406.

Sousa, de M. G. F., & Erdmann, L. A. (2012). Qualificando o cuidado à criança na atenção Primária de Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 65 (5), 795-802.

Souza, A. O., & Ruschival, C. B. (2015). Autismo e educação: jogo digital estimulador da comunicação e da linguagem em crianças autistas. Latin American Journal of Science Education, 1 (12124), 1-16.

Vasconcelos, M. M., & Brito, R. A. (2016). Conversando sobre autismo: reconhecimento precoce e possibilidades terapêuticas. In: Caminha, V. L. P. S., Huguenin, J. Y., Assis, L. M. de., & Alves, P. P. (Org.). Autismo: vivências e caminhos. São Paulo: Blucher, 23-30.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i9.1250

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356