Overload of nursing work through Nursing Activities Score as an evaluating tool

Victor Hugo da Silva Martins, Fernanda Ribeiro Nascimento, Nadyr Cristina Bezerra, Tatiana Carla Carvalho Amorim Guisande, Venâncio de Sant'ana Tavares, Angely Anny de Castro Alencar, Anna Paula Lima de Souza, Lucas Rafael Monteiro Belfort, Marília Andrada Brito Carvalho

Abstract


The present study sought to identify the use of Nursing Activities Score (NAS) to evaluate the nursing work overload in national nursing studies. It is an integrative review of the literature, composed of: topic choice, bibliographic survey, formulation of guiding question, search of articles, reading and final writing of the work. The search for articles was carried out by consulting the VHL (Virtual Health Library) databases between 2009 and 2019, using data sources such as LILACS, BDENF, Medline and Scielo. Sixteen articles were selected, which raised several factors to be considered when dealing with workload for nursing, such as knowledge, technique, skills, leadership profile, staff dimensioning, care sites, and others that directly implicate the quality of care. Many studies confirm the NAS as a managerial tool, but still see the low utilization of it. It is necessary to promote the use of the instrument in addition to the ICU services in the country, with a view to improving the work, especially of nursing professionals, and providing a better management of care for patients.


Keywords


Workload; Intensive Care Units; Nursing care; Nursing human resources; Nursing team.

References


Cofen. (2017). Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 543, de 18 de abril de 2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem fiscalização do dimensionamento de profissionais de Enfermagem. Brasília, DF. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-5432017_51440.html.

Cardoso, L. T. Q. et al. (2014). Nursing Activities Score and workload in the intensive care unit of a university hospital. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(3):292–298.

Castro, M. C. N. E et al. (2017). Severity and workload of nursing with patients seeking admission to an intensive care unit. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 22(1):1–6.

Chiavenato, I. (2014). Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4ed. Barueri: Manole.

Cremasco, M. F. et al. (2009) Úlcera por pressão: Risco e gravidade do paciente e carga de trabalho de enfermagem. ACTA Paulista de Enfermagem, v. 22(sp.issue):897–902.

Cyrino, C. M. S. et al. (2017). Nursing Activities Score by assistance sites in Intensive Care Units. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 22(1):1–6.

Diccini et al. (2015). Correlação entre carga de trabalho de enfermagem e gravidade dos pacientes críticos gerais, neurológicos e cardiológicos. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=127739655005.

Ercole, F. F.; Melo, L. S.; Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Integrative review versus systematic review. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, 18(1):9–11.

Ferreira, S. C. et al. (2016.). Nursing activities score and the care in the intensive care unit. 23(1):63–67.

Goulart, L. L. et al. (2017). Carga de trabalho de enfermagem relacionada ao índice de massa corporal de pacientes críticos. Acta Paulista de Enfermagem, 30(1):31–38.

Inoue, K. C.; Matsuda, L. M. (2010). Dimensionamento de pessoal de enfermagem em unidade de terapia intensiva para adultos. ACTA Paulista de Enfermagem, 23(3):379–384.

Leite, I. R. L., Silva, G. R. F., Padilha, K. G. (2012). Nursing Activities Score e demanda de trabalho de enfermagem em terapia intensiva. ACTA Paulista de Enfermagem, 25(6):837–843.

Lima, A. P. N. F. et al. (2018). Olho Seco em Unidade de Terapia Intensiva: uma análise de conceito. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(3).

Luna, A. A., Branco, L. L. W. V., Beleza, L. D. O. (2017). Carga de trabalho de enfermagem em UTI neonatal: aplicação da ferramenta nursing activities score Nursing workload in neonatal ICU: application of the nursing activities score tool. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 9(1):144.

Massaroli, R. et al. (2015). Trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 252-258. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452015000200252&lng=en&nrm=iso.

Melnyk, B. M., Fineout-Overholt, E. (2011) Evidence-based practice in nursing & healthcare: A guide to best practice. Lippincott Williams & Wilkins.

Melo et al. (2018). Dimensionamento de enfermagem: avaliando o quadro de profissionais das unidades de cuidados cardiológicos e neurológicos de um hospital filantrópico de MG de acordo com nível de complexidade assistencial dos pacientes. Enfermagem Revista. 21(2):21, Disponível em:http://200.229.32.55/index.php/enfermagemrevista/article/view/18822/1393.

Nogueira, L. D. S. et al. (2015a) Nursing workload: Is it a predictor of healthcare associated infection in intensive care unit? Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(spec.issue): 35–41.

Nogueira, L. DE S. et al. (2015b). Padrão de intervenções de enfermagem realizadas em vítimas de trauma segundo o Nursing Activities Score. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49:29–35.

Novaretti et al. (2014) Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e

eventos adversos em pacientes internados em UTI. Revista Brasileira de Enfermagem. 67(5):692-9. Disponível em: https://www.redalyc.org/html/2670/267032830004/.

Nunes, B. K.; Toma, E. (2013). Assessment of a neonatal unit nursing staff: application of the Nursing Activities Score. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(1):348–355.

Oliveira et al. (2018). Assistência de enfermagem em pacientes vítimas de traumatismo crânio encefálico: revisão integrativa. Revista UNINGÁ. 55(2):33-46. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2090.

Oliveira, A.C.; Garcia, P.C.; Nogueira, L. DE S. (2016a). Carga de trabalho de enfermagem e ocorrência de eventos adversos na terapia intensiva: revisão sistemática. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 50(4):683-694. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/147715/141309.

Oliveira, L. B. et al. (2016b). Avaliação da carga de trabalho no pós-operatório de cirurgia cardíaca segundo o Nursing Activities Score. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(n.esp):80–86.

Panunto, M. R.; Guirardello, E. D. B. (2012). Carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital de ensino. ACTA Paulista de Enfermagem, 25(1):96–101.

Queijo, A. F (2012). Tradução para o português e validação de um instrumento de medida de carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Nursing Activities Score (N.A.S.). Dissertação (Mestrado em Saúde do Adulto) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Queijo, A. F.; Padilha, K. G. (2009). NURSING ACTIVITIES SCORE (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000500004&lng=en&nrm=iso.

Reich, R. et al. (2015). Nursing workload in a coronary unit according to the Nursing Activities Score. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, 36(3):28-35. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472015000300028&lng=en&nrm=iso.

Rodrigues, I. L. et al. (2016). Difficulties and facilities in intensive care work: a nursing staff’s perspective. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3881.

Santos, L. et al. (2015). Carga de Trabalho de Enfermagem em Terapia Intensiva mediante a aplicação do Nursing Activities Score. Revista Acreditação: ACRED. Disponível em: http://cbacred.tempsite.ws/ojs/index.php/Acred01/article/view/206.

Silva, M. C. M., Sousa, R. M. C., Padilha, K. G. (2010). Patient Destination after Discharge from Intensive Care Units: Wards or Intermediate Care Units? Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(2):224–232.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com