A look at medicalized childhood

Tania Marisa Lopes Chaves, Cristina Saling Kruel

Abstract


This article discusses medicalization in childhood and reflects on the possible causes of this phenomenon and its consequences on the subjective constitution of the child. The reflections exposed depart from the place destined to infancy, fruit of the historical, economic and cultural context of the society. Thus, a theoretical and qualitative review of the existing literature was carried out, which dealt with the subject in question, focusing on contemporary Brazilian society. It is observed that the school and the parents, in an attempt to fit the children into the norms of normality established by the society, produce problems that will be treated as demands for health professionals, who abuse the use of Ritalin. Against the use of these substances, nongovernmental organizations and researchers present possible ways in projects with the direct participation of children, as a therapeutic resource not to silence them by the excessive use of medicalization.

Keywords


Childhood; Medicalization; Playing.

References


Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2013, 18 de Fevereiro). Publicação sobre estudo que aponta o crescimento no consumo de metilfenidato. Acesso em 08 ago, em http:// portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?ppid=01&pplifecycle=0&ppstate=maximized&ppm ode=view&ppcolid=column1&ppcolcount=1&101strutsaction=%2Fassetpublisher%2Fview content&101assetEntryId=2673362&101type=content&101groupId=219201&101urlTitle= estudo-aponta-crescimento-no-consumo-de-metilfenidato&inheritRedirect=true.

Amado, J., & Almeida, A. C. (2017, Janeiro-Abril). Políticas públicas e o direito de brincar das crianças. Laplage em Revista, 3 (1), 101-116. Acesso em 08 ago, em http://www. laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/237.https://doi.org/10.24115/S2446-62 2020173123 7.

American Psychiatric Association. (2013, 5ª ed.). DSM-5 - Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed.

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família (2ª ed.). (Dora Flaksman, Trad.). Rio de Janeiro: LTC Editora. (Obra original publicada em 1973).

Organização das Nações Unidas. (1989, 20 de Novembro). Convenção dos Direitos da Criança. Acesso em 08 ago, em http://www.faders.rs.gov.br/legislacao/6/83.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogatschov, D. N., & Moreira, J. A. da S. (2009). Políticas educacionais para o atendimento à infância no Brasil: do assistencialismo à indissociabilidade entre cuidar-educar. In: Seminário Nacional de Estudos e Pesquisa - História, Sociedade e Educação no Brasil, da Universidade de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil. Acesso em 15 ago, em http://www. histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/trabalhos.html.

Brasil, República Federativa do Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Acesso em 15 ago, em http://www.senado.leg.br/atividade/const/constituicao-federal.asp#/.

Brasil, República Federativa do Brasil. (1990). Lei nº 8.069/90, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Acesso em 15 ago, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/ L8069.htm.

Brasil, República Federativa do Brasil. (2016). Lei nº 13.257/16, de 08 de março de 2016. Estabelece o Marco Legal da Primeira Infância. Acesso em 15 ago, em http://www. Planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/ 2016/Lei/ L13257.htm.

Brzozowski, F. S., & Caponi, S. N. (2013). Medicalização dos desvios de comportamento na infância: aspectos positivos e negativos. Psicologia: Ciência e Profissão, 33 (1), 208-221. Acesso em 08 jul, em http://submission.scielo.br/index.php/pcp/article/view/86409.

Conselho Federal de Psicologia. (2013). Subsídios para a Campanha: Não à medicalização da Vida. Acesso em 08 jul, em https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/CadernoAF. pdf.

Claro, G. R., & Machado, D. P. (2018, 19 de Abril). Medicalização infantil, liberdade e criatividade. Gazeta do Povo. [on-line]. Acesso em 08 jul, em https://www.gazetadopovo.com. br/opiniao/artigos/medicalizacao-infantil-liberdade-e-criatividade-77et0azej628t4u93ae6bh2 m1.

Cunha, J. A. P., & Mello, L. M. L. (2017, Julho/Dezembro). Medicação/medicalização na infância e suas possíveis consequências. Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 2 (4). 192-209. Acesso em 14 jul, em http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/ view/15252.

Dentee, M. L. (2015, Dezembro). Medicalização infantil: uma epidemia contemporânea? Trabalho de conclusão de curso, Centro Universitário do Vale do Taquari, Lajeado, Rio Grande do Sul, Brasil. Acesso em 28 jul, em https://www.univates.br/bdu/handle/10737/1034.

Foucault, M. (2010). Vigiar e Punir: o nascimento das prisões (38ª ed.). Petrópolis: Vozes. (Obra original publicada em 1975).

Freire, A.C., & Pondé, M. P. (2005). Prevalência do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade entre crianças escolares na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 65 (2A), 240-244. Acesso em 16 jul, em http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0004-282X2007000200010.

Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. (1965). Acesso em 08 ago, em https://www.fmcsv. org.br/pt-BR/.

Guarido, R. (2010). A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (Orgs.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos (pp. 29-39). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ianiski, G. M. (2009). A criança e seu espaço na sociedade contemporânea. In: IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, Paraná. Acesso em 18 jul, em https://educere. pucpr.br/p21/anais.html?tipo=2.

Kamers, M. (2013, Abril). A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos da clínica, 18 (1), 153-165. Acesso em 14 jul, em http:// pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282013000100010&lng=pt &nrm=iso.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica (5ª ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Leite, M. I. (2008). Espaços de narrativa: onde o eu e o outro marcam encontro. In Cruz, S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas (pp. 118-140). São Paulo: Editora Cortez.

Machado, L. V., & Ferreira, R. R. (2014, Janeiro-Março). A indústria farmacêutica e psicanálise diante da "epidemia de depressão": respostas possíveis. Psicologia em Estudo, 19 (1), 135-144. Acesso em 14 ago, em http://www.scielo.br/scielo.php?Script=s ci_arttext &pid= S14 13-73722014000100015.

Mapa da Infância Brasileira. (2016, 01 de Novembro). Quem está na escuta? Diálogos, reflexões e trocas de especialistas que dão vez e voz às crianças. Acesso em 14 ago, em http://primeirainfancia.org.br/quem-esta-na-escuta-dialogos-reflexoes-e-trocas-de-especialis tas-que-dao-vez-e-voz-as-criancas.

Meira, M. E. M. (2012, Junho). Para uma crítica da medicalização na educação. Psicologia Escolar e Educacional, 16(1), 136-142. Acesso em 08 ago, em http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413-85572012000100014&lng=en&nrm=iso.https://dx.doi.org/10. 1590/S1413-85572012000100014.

Moysés, M. A. A., & Collares, C. A. L. (1997). Inteligência Abstraída, Crianças Silenciadas: as Avaliações de Inteligência. Psicologia USP, 8 (1), 63-89. Acesso em 20 jul, em http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65641997000100005. https://dx.doi.org/1 0.1590/S0103-65641997000100005.

Nascimento, M. L. (2011, Janeiro-Dezembro). Algumas considerações sobre a infância e as políticas de educação infantil. Revista Educação & Linguagem, 14 (23/24), 146-159. Acesso em 18 ago, em https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/downl oad/2914/2744.

Oliveira, J. F., & Libâneo, J. C. (1998, Maio-Junho). A Educação escolar: sociedade contemporânea. In: Revista Fragmentos de Cultura, 8 (3), 597-612, Goiânia, Goiás.

Ortega, F., Barros, D., Caliman, L., Itaborahy, C., Junqueira, L., & Ferreira, C. P. (2010, Setembro). A ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 14 (34), 499-512. Acesso em 14 ago, em http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1414-32832010 000300003.

Pereira, C. C., & Duarte, P. L. (2018, 21 de Março). Embaraços no discurso da medicalização infantil: contribuições da psicanálise. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 6 (2). Acesso em 14 jul, em http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/ 686.

Pinheiro, T. M. L. C. (2013). Sobre o aumento dos diagnósticos infantis na contemporaneidade: uma análise histórico-crítica. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Acesso em 08 jul, em http:// www.maxwell.vrac.puc-rio.br/25527/25527.pdf.

Prado, M. A. M. B., Francisco, P. M. S. B., & Barros, M. B. A. (2017, Dezembro). Uso de medicamentos psicotrópicos em adultos e idosos residentes em Campinas, São Paulo: um estudo transversal de base populacional. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26 (4), 747-758. Acesso em 14 jul, em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2237-96222017000400747& script=sci_abstract&tlng=pt.http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000400007.

Silva, E. O. (2014). Medicalização da existência e subjetivação. In Menezes, L. S. de, Armando, G. G., & Vieira, P. (Orgs.), Medicação ou Medicalização? (Cap. 5, pp. 65-76). São Paulo: Primavera Editorial.

Souza, I., Serra, M. A., Mattos, P., & Franco, V. A. (2001). Comorbidade em crianças e adolescentes com transtorno do déficit de atenção: resultados preliminares. Arquivos de Neuro-Psiquiatia, 59 (2B), 401-406. Acesso em 16 jul, em http://www.scielo.br/scielo.php? pid=S0004- 282X2001000300017&script=sci_abstract&tlng=pt.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i7.1111

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356