Hybrid education: an alternative for the inclusive education of the deaf

Alex Araujo Dultra

Abstract


Information and communication technology are an effective means that have been applied in education because it allows teachers to work with early stimulation of students with disabilities, aiming to promote the proper development of these students. In the face of this, the objective of this study is to present the contributions of hybrid teaching to the teaching and learning process of students, especially deaf students. For the development of this study, the qualitative approach was adopted, with bibliographic research. The study concludes that hybrid teaching presents a diversity of methods to be applied in the inclusive education of the deaf, allowing a transdisciplinary approach a good reflection on the contemporary context in education, provided that it is used properly, with due planning, combining with several technological resources, but for its implementation it is necessary that a cultural reelaboration occurs, mainly the traditional method of teaching that is still rooted in our culture.


Keywords


Deaf student; School inclusion; Bibliographic research.

References


Bacich, L., & Moran, J. (2015). Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, 17(25), 45-47.

Barreto, M. A. D. O. C., & Barreto, F. D. O. C. (2014). Educação Inclusiva Contexto Social e Histórico, Análise das Deficiências e Uso das Tecnologias no Processo de Ensino-Aprendizag. Saraiva Educação SA.

Bergmann, J., & Sams, A. (2016). Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC.

Busatta, C. A. (2016). A sala de aula de Química: um estudo a respeito da educação especial e inclusiva de alunos surdos (Doctoral dissertation, UFRGS). Porto Alegre.

Christensen, C. M., Horn, M. B., & Johnson, C. W. (2009). Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Bookman Editora.

Ciccone, M. (1990). Comunicação total: introdução, estratégia, a pessoa surda. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 7.

Freire, P. (1992). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000. _. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas.

Guarinello, A. C.; Berberian, A. P.; Santana, A. P.; Massi, G & Paula, M. (2006) A inserção do aluno surdo no ensino regular: visão de um grupo de professores do Estado do Paraná. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, 12, 3, 317-330.

Horn, M. B., Staker, H., & Christensen, C. (2015). Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Penso Editora.

Lakatos, E. M; Marconi, M.A (2007) Metodologia do trabalho científico. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Ludke, M. e André, M. E. D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. Editora EPU, São Paulo.

Mallmann, F. M., CONTO, J. D., Bagarollo, M. F., & Franca, D. M. V. R. (2014). A inclusão do aluno surdo no ensino médio e ensino profissionalizante: um olhar para os discursos dos educadores. Rev. bras. educ. espec, 20(1), 131-146.

Mendes, A. Q. S., Figueredo, F., & Ribeiro, A. C. (2015). Inclusão de alunos surdos na escola regular: Aspectos linguísticos e pedagógicos. Revista da iniciação cientifica–RIC Cairu, 2(02), 33-46.

Miranda, L. A. V. (2005) Educação online: Interações e estilos de aprendizagem de alunos do ensino superior numa plataforma web. 2005. 382 f. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade do Minho, Braga.

Oliveira, C. (2015). Tic’s na Educação: A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação na Aprendizagem do aluno. Revista Pedagogia em Ação, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 75-95.

Paschuini, E. A. (2015) A infoinclusão de alunos surdos na educação de jovens e adultos utilizando o aplicativo Hand Talk em sala de aula. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação. Setor de Educação. Universidade Federal do Paraná- UFPR. Curitiba.

Renosto, R. C., & Cardoso, R. P. (2015). Um Modelo Híbrido de Educação: Aproximações Entre o Presencial e o Virtual. REVISTA CESUCA VIRTUAL: CONHECIMENTO SEM FRONTEIRAS-ISSN, 2318(4221), 197-206.

Santos, S. R. (2012) Políticas educacionais, educação inclusiva e direitos humanos. Lex Humana, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 135-156.

Silva, L. D., Lacerda, C. D., & Souza, V. (2011). Políticas educacionais públicas brasileiras destinadas à educação de pessoas surdas (unidade II). Material do Ensino a Distância, MEC.

Unesco (1994) Declaração mundial sobre Princípios, políticas e práticas nas áreas das necessidades educativas especiais. Espanha.

Valente, J. A. (2014). Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, (4), 79-97.

Walber, V. B., & Silva, R. N. D. (2006). As práticas de cuidado e a questão da deficiência: integração ou inclusão? Care practices and the disability issue: integration or inclusion?. Estudos de Psicologia (Campinas), 23(1), 29-37.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i6.1078

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356