Integration and School Inclusion in the brazilian bureaucratic-heritage historic panorama

Olgda Laria Borges de Paula, Edione Teixeira de Carvalho

Abstract


The present study analyzes the insertion of students with specific educational needs in institutions of regular education, considering the characteristics of Brazilian society markedly patrimonial-bureaucratic. The methodologies used were documentary research, in relation to the current legislation that advocates attention to students with disabilities, global developmental disorders and high skills - Law 9,394 of December 20th, 1996; CNE / CEB Resolution No. 2 of September 11th, 2001; National Policy on Special Education in the Perspective of Inclusive Education 2008; Law No. 13,146, of July 6th, 2015 - and the bibliographic research of scientific productions concerning the matter addressed. As a result, it is considered that the legal regulations allow the inclusion of these students in the regular education system. However, this hybrid model of patrimonialism and bureaucracy, hinders substantial changes, because the attempt to implement inclusion in educational institutions, oppose traditional practices of teachers, maintaining the presuppositions of school integration. It is concluded that the continuous training of teachers, recommended by the legal regulations researched, creates the possibility of weakening pedagogical aspects rooted in heritage values, guaranteeing the effectiveness of school inclusion.


Keywords


School Integration; School Inclusion; Patrimonialism; Bureaucracy.

References


Brasil. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial, Brasília.

Brasil. Resolução CNE/CEB nº 2/2001 (2001). Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial, Brasília.

Brasil. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (2008). Diário Oficial, Brasília.

Brasil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (2015). Institui a Lei Brasileira de Inclusão de Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial, Brasília.

Damatta, R. (1997). Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro (6a ed.). Rio de Janeiro: Rocco.

Faoro, R. (1989). Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro (Vol. 2, 8a ed.). São Paulo: Globo.

Gandini, R. P. C. (2005). Patrimonialismo e educação: autoridade doméstica e práticas docentes. Pro-Posições, Campinas, 16 (1), 195-221.

Glat, R., & Blanco, L. de M. V. (2007) Educação Especial no contexto de um Educação Inclusiva. In R. Glat (Org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar (pp. 15-35). Rio de Janeiro: 7Letras.

Holanda, S. B. de. (1978). Raízes do Brasil (12a ed.). Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora/INL-MEC.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A (2017). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas (2a ed.). Rio de Janeiro: E. P. U.

Mantoan, M.T. E. (1998). Ensino inclusivo/ Educação (de qualidade) para todos. Revista Integração, 8(20), 29-32.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (1990) Técnicas de pesquisa. São Paulo: Cillas.

Marques. C. A. (1999). Revisão do conceito de normalização em educação especial. Temas sobre Desenvolvimento, 8(44), 16-21.

Mendes, E.G. (1994). Integração escolar: reflexões sobre a experiência de Santa Catarina. Revista Integração, 5(12), 5-19.

Mendonça, E. F. (2000). A regra e o jogo: democracia e patrimonialismo na educação brasileira. Campinas: FE/UNICAMP.

Motta, F. P., & Pereira, L. C. B. (1980). Introdução à organização burocrática. São Paulo: Brasiliense.

Prieto, R. G. (2006). Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In V. A. Arantes (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos (pp. 31-73). São Paulo: Summus.

Santos, M. P. (1995). Perspectiva histórica do movimento integracionista na Europa. Revista Brasileira de Educação Especial, 2(3).

Sassaki, R. K. (2006). Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23a ed.). São Paulo: Cortez.

Weber, M. (1972). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva (Vol. 1, 5a ed.). (R. Barbosa & K. E. Barbosa, Trad.). Brasília: Universidade de Brasília.

Weber, M. (1974). Burocracia. In M. Weber. Ensaios de sociologia (3a ed.). (W. Dutra, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. p. 229-82.

Weber, M. (1978). Os fundamentos da organização burocrática: uma construção do tipo ideal. In E. Campos (Org.). Sociologia da burocracia (pp. 15-28). São Paulo: Zahar.

Weber, M. (1986). Os três tipos puros de dominação legítima. In G. Cohn (Org.) Weber (pp. 128-141). São Paulo: Ática.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i6.1069

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356