Production of subjectivities and school coexistence

Marcele Pereira Da Rosa Zucolotto, Elysangela Koglin Ulo Limachi, Isabelle Rittes Nass

Abstract


This article aims to present the results of a study that sought to problematize the issue of school coexistence from the perspective of the construction of subjectivity. For that, a bibliographical research was carried out regarding the concept of subjectivity, looking for possibilities to broaden the reflection about the school coexistence. Thus, through a brief historical contextualization about the processes of construction of subjectivities and the school institution as we know it, it was possible to understand that this is configured as a space not only for transmitting objective knowledge from the disciplines, but also as a place of socialization in which all the subjects involved are subjectivated. It can be seen that the fragmentation of the school prevents the development of a global perception, leading to an increase in the degree of anguish, loneliness, isolation and consumerism, characteristic factors of subjectivity called capitalism. As a result of the fragility of the relationships, in school coexistence, there are frequent actions of exclusion, disrespect and resistance. Therefore, the need to think about democratic coexistence becomes fundamental for the construction of active subjects and increasingly able to take into account the values of the collectivity.


Keywords


Subjectivation processes; School; Conviviality.

References


Aquino, J. G. (1998). A violência escolar e a crise da autoridade docente. Cadernos Cedes, 19 (47), p. 7-19.

Aquino, J. G. (2000). Do Cotidiano Escolar. Ensaios sobre a ética e seus avessos. São Paulo: Summus.

Bock, A. M. B., Furtado, O. & Teixeira, M. L. T. (2008). A Escola. In: Bock, A. M. B.; Furtado, O. & Teixeira, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia (14a ed, Cap. 18, pp. 266-281). São Paulo: Saraiva.

Cerezer, C. (2011). Autoridade e mal-estar do educador. São Paulo: Zagadoni.

Deleuze, G. (1992). Conversações (1972-1990). Rio de Janeiro: Ed. 34.

Eizirik, M. F. & Comerlato, D. (2004). A escola (in)visível: jogos de poder, saber, verdade (2a ed). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Estêvão, C. V. (2008). Educação, conflito e convivência democrática. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 16 (61), p. 503-514.

Figueiredo, L. C. M. (2007). A invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação (1500-1900) (7a ed). São Paulo: Escuta.

Foucault, M. (1997). Vigiar e punir: o nascimento da prisão (22a ed.). Petrópolis: Vozes.

Guattari, F. & Rolnik, S. (2005). Micropolítica: cartografias do desejo (7a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Heckert, A. L. C., Corona, C. R., Manzini, J. L., Machado, R. R. B., Fardin, V. L. (2001). A escola como espaço de invenção. In: Jacó-Vilela, A. M., Cerezzo, A. C., Rodrigues, H. B. C. Clio-Psyché Hoje: fazeres e dizeres psi na história do Brasil (pp. 239-250). Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

Leite, J. F. & Dimenstein, M. (2002). Mal-estar na psicologia: a insurreição da subjetividade. Revista Subjetividades, 2 (2), p. 9-26.

Mancebo, D. (1999). Modernidade e produção de subjetividades: gênese e possibilidades atuais (Tese apresentada em concurso para professora titular). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1999.

Mancebo, D. (2000). Globalização e efeitos de subjetivação. Logos, 7 (1), p. 57-62.

Mancebo, D. (2002). Modernidade e produção de subjetividades: breve percurso histórico. Psicologia: ciência e profissão, 22 (1), p. 100-111.

Mansano, S. R. V. (2009). Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, 8 (2), p. 110-117.

Marcon, T. (2015). Educação e democracia: formação política para a convivência em uma sociedade plural. Roteiro, 40 (2), p. 377-394.

Miranda, L. L. (2005). Subjetividade: a (des)construção de um conceito. In: Souza, S. J. (org). Subjetividade em questão: a infância como crítica da cultura (2a ed, pp. 29-46). Rio de Janeiro: 7Letras.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à Educação do Futuro (2a ed). São Paulo: Cortez, 2000.

Mosé, V. (2015). A escola e os desafios contemporâneos (4a ed). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Peters, M. (1995). Governamentalidade neoliberal e educação. In: SILVA, T. T. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos (2a ed). Petrópolis: Vozes.

Rocha, M. L. (2007). Inclusão ou exclusão? Produção de subjetividade nas práticas de formação. Psicologia em estudo, 13 (3), p. 477-484.

Rolnik, S. (1997). Uma insólita viagem à subjetividade. Fronteiras com a ética e a cultura. In: Lins, D. (Org.). Cultura e Subjetividade: saberes nômades. (p. 25-35). Campinas: Papirus.

Sennett, R. (1988). O declínio do homem público. São Paulo: Cia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i6.1049

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356